Início

Luta contra a AIDS: médico desmistifica tabus e ressalta a evolução da medicina

17/01/2024

Embaixador da Inspirali aponta a importância da informação e educação como forma de prevenção

No mês de Conscientização Internacional da Luta contra a AIDS, é importante destacar o quanto o Brasil, e o mundo, já avançou em relação a doença. Medicação moderna e sem efeitos colaterais, expectativa de vida igual – ou até superior – a de pessoas não infectadas, tratamento todo oferecido pelo SUS, medicamentos antirretrovirais para não infectados, entre outras evoluções. Apesar de todos esses avanços ainda existem muitos tabus e preconceito envolvendo o tema. 

Segundo o Dr. Evaldo Stanislau Affonso de Araújo, Embaixador da Inspirali, principal ecossistema de educação médica do país, isso acontece porque muitos ainda acreditam que a infecção pelo HIV é uma sentença de morte e, sendo assim, passam a temer estarem infectados. “O preconceito é complexo. As pessoas associam que quem se infectou o fez porque teve algum tipo de comportamento moralmente condenável. E isso é uma falta de conhecimento porque a infecção pode ocorrer com qualquer um que não tenha adotado uma prática sexual, não importa de que tipo, que o torne vulnerável à infecção. Em relação ao sexo e HIV temos conhecimento e mecanismos de prevenção que permitem que as pessoas exerçam a sua sexualidade de forma plena e segura. Tudo que seja legal e consentido pode ser realizado desde que com informação e proteção”, destaca o médico. 

A informação e educação é a melhor forma de prevenção. Dr Evaldo explica que se investirmos na prevenção combinada e educação continuada de forma consistente será possível cumprir os planos da OMS de que HIV-Aids deixe de ser um problema de saúde pública até 2030. “Informar, educar e dar acesso pleno aos testes e demais mecanismos de prevenção é o caminho correto. Viver sem HIV é melhor, mas se a infecção ocorreu é possível ter vida boa, saudável e plena”, complementa o médico. 

Para contribuir com a disseminação de informação positiva e correta, Dr Evaldo responde dúvidas e conta curiosidades importantes sobre o tema. Confira:

  • Como o HIV atinge o sistema imunológico?

R: O HIV realiza o seu processo de multiplicação destruindo as células imunes, em especial os linfócitos. Quando a destruição se torna maior que a capacidade de reposição gradualmente o paciente perde a sua imunidade e começa a apresentar infecções e outras manifestações, como alguns tipos de câncer.

 

  • Como o vírus pode ser transmitido?

R: Por meio de fluídos corpóreos produzidos na relação sexual, por sangue e derivados contaminados e das mulheres grávidas para seus filhos durante a gestação ou após o parto. Mas é importante enfatizar que hoje sangue e derivados no Brasil utilizados por Bancos de Sangue e em terapias regularmente realizadas estão 100% seguros por meio dos testes utilizados e que gestantes e pessoas vivendo com HIV e que estejam sob terapia regular e com o vírus indetectável não transmitem o vírus.

 

  • Existem pessoas mais suscetíveis a contrair a doença?

R: Todos estão susceptíveis à infecção, porém têm-se observado entre jovens um crescimento maior. Além disso homens que fazem sexo com homens, população trans, privados de liberdade e usuários de drogas com compartilhamento de utensílios para o consumo são pessoas mais vulneráveis. Importante enfatizar que utilizando medidas de prevenção adequadas o risco é controlado. Portanto o conceito de “grupo de risco” é inadequado. O que existe é a vulnerabilidade associada e uma exposição potencial sem medidas de proteção.

 

  • Quais os principais sintomas?

R: A infecção evoluí em geral assintomática. Por isso recomenda-se a testagem periódica como um meio de prevenção pois o diagnóstico precoce permite o tratamento e a preservação da saúde.

 

  • Como é feito o tratamento?

R: O tratamento deve ser iniciado o quanto antes após a confirmação diagnóstica. Atualmente é extremamente simples e seguro. Pode ser feito com a ingestão de apenas um ou dois comprimidos ao dia.

 

  • Existe tratamento pela rede pública de saúde?

R: No Brasil o tratamento é completamente gratuito e fornecido pelo SUS.

 

  • Quais os efeitos colaterais do tratamento? 

R: Atualmente praticamente nenhum efeito colateral.

 

  • Uma vez infectada, a pessoa tomará remédio a vida toda?

R: Até o momento, sim. Mas a terapia está avançando e já temos a possibilidade, por exemplo, da administração de uma injeção a cada 2 meses.

 

  • Já existe cura para a doença? 

R: Existem casos de cura. Mas como deu-se essas curas foi de forma excepcional e impraticável para ser feita em larga escala. Agora, o que podemos dizer entre aspas é que existe uma “cura clínica”, ou seja, quem se trata corretamente hoje tem uma expectativa de vida igual e, até maior, do que pessoas não infectadas pelo HIV.

 

  • Como evitar a doença?

R: Por meio da prevenção combinada. A camisinha apenas tem se mostrado insuficiente. Embora muito eficaz, precisa ser utilizada corretamente. Infelizmente, os números comprovam que o uso é inconsistente. Por isso, o uso de medicamentos antirretrovirais por não infectados é muito importante. Se isso é feito antes de relações sexuais, é o que chamamos de profilaxia pré-exposição, do Inglês, PrEP. 

Se o uso é feito após a relação, iniciando até 72 horas após uma exposição potencial, é a prevenção após a exposição, ou PEP. PrEP e PEP – e suas variáveis – mudaram a história da prevenção e estão disponíveis para quem precisar, em fornecedores privados ou gratuitamente no SUS. Realizar a testagem frequente também faz parte da prevenção pois o diagnóstico precoce significa iniciar a terapia e zerar a carga viral fazendo com essa pessoa deixe de ser um transmissor em potencial.

 

  • Quais os estágios da doença?

R: O termo para uma pessoa que esteja infectada pelo HIV é pessoa vivendo com HIV. Se ela teve alguma condição que defina a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida então dizemos que ela tem Aids. Portanto são dois estágios.

 

  • Como é a fase aguda da infecção?

R: Fase aguda na maior parte das vezes passa despercebida, mas é um quadro clínico inespecífico de febre, mal-estar, aumento de gânglios, vermelhidão na pele, entre outros sinais, que pode ocorrer dias a semanas após a infecção inicial, resolvendo-se espontaneamente.

 

  • Quais os principais avanços científicos no combate à AIDS?

R: Tudo está em constante avanço. Mas os medicamentos mais simples, seguros e efetivos são o destaque. Servem para terapia e prevenção. E, agora, estão chegando os medicamentos de longa duração que permitirão uma dose a cada 8 semanas e, em breve, até mais. Viver com HIV atualmente deixou de ser uma sentença de morte e sinônimo de doença. Ao contrário, uma pessoa vivendo com HIV sob terapia e acompanhamento regular pode ter uma vida muito saudável e normal. Inclusive podendo ser pai ou mãe. 

 

  • Quais as infecções mais perigosas para uma pessoa portadora do vírus HIV?

R: Uma série delas é de muito risco, mas, o lado bom é que a cada dia torna-se menos comum encontrarmos pacientes com esse tipo de complicação, graças ao diagnóstico e terapia precoces do HIV. 

 

  • Quais os principais cuidados que um portador da doença precisa ter?

R: Ter um médico de confiança competente e tomar as medicações recomendadas.

 

Sobre a Inspirali

 

Criada em 2019, a Inspirali atua na gestão de escolas médicas do Ecossistema Ânima. É uma das principais empresas de ensino superior de Medicina no Brasil, com mais de 13 mil alunos e 14 instituições – localizadas em capitais como São Paulo, Belo Horizonte, Salvador, Florianópolis e Natal – e importantes centros de desenvolvimento do país, como Piracicaba (SP), São José dos Campos (SP), Cubatão (SP), Tubarão (SC), Vespasiano (MG), Irecê̂ (BA), Jacobina (BA), Guanambi (BA) e Brumado (BA).

As graduações em Medicina seguem modelo acadêmico reconhecido entre os mais inovadores do mundo e pensado para formar profissionais de alta performance com uma visão integral do ser humano. O portfólio da Inspirali contempla também cursos livres e especializações focados na medicina integrativa e aborda temas relevantes no cenário global, a exemplo da pós-graduação em cannabis medicinal, primeiro curso na área certificado pelo Ministério da Educação (MEC). A aprendizagem digital ativa oferece recursos tecnológicos (robôs de alta fidelidade e realidade virtual e aumentada MedRoom) e apoio socioemocional, assim como as atividades práticas e o acompanhamento personalizado.

 

Mulheres que inspiram a Medicina

01/03/2024

Momento Inspirali contará com a participação do Dr. Jorge Forbes

29/02/2024
Scroll to Top