Faça Parte
Carreira

Direitos humanos e medicina: uma convergência necessária

20/06/2024
Compartilhar

Em um mundo marcado por desigualdades e injustiças, a medicina e os direitos humanos se encontram em uma convergência necessária. Para aqueles que sonham em seguir a profissão médica, compreender essa relação é essencial. Afinal, mais do que tratar doenças, o papel do médico é promover o bem-estar integral do ser humano, respeitando sua dignidade e seus direitos fundamentais.

A saúde como direito humano

A Declaração Universal dos Direitos Humanos, adotada pela ONU em 1948, reconhece a saúde como um direito inalienável de todo ser humano. Isso significa que garantir acesso à saúde de qualidade é um dever do Estado e da sociedade como um todo. No Brasil, a Constituição Federal de 1988 consagra a saúde como “direito de todos e dever do Estado”, estabelecendo as bases para a criação do Sistema Único de Saúde (SUS).

Contudo, passadas mais de três décadas, o direito à saúde ainda está longe de ser plenamente efetivado no país. Desigualdades no acesso, falta de investimentos e problemas de gestão são alguns dos desafios enfrentados. Nesse contexto, o papel do médico vai muito além do consultório. É preciso um olhar ampliado sobre a saúde, que leve em conta os determinantes sociais e as necessidades de cada comunidade.

Medicina e justiça social

A medicina tem um compromisso intrínseco com a justiça social. Afinal, as condições de vida e as iniquidades têm impactos diretos sobre a saúde das pessoas. Pobreza, falta de saneamento, violência, racismo e outras formas de discriminação são fatores que aumentam a vulnerabilidade a doenças e agravam quadros de saúde.

Por isso, uma formação médica alinhada aos direitos humanos deve ir além do tecnicismo e incorporar uma visão crítica sobre a realidade social. Disciplinas como saúde coletiva, ética e ciências humanas são fundamentais para desenvolver um olhar empático e engajado com as necessidades da população. Mais do que um prestador de serviços, o médico deve ser um agente de transformação social.

Medicina e grupos vulneráveis

Alguns grupos populacionais estão particularmente suscetíveis a violações de direitos e, consequentemente, a problemas de saúde. É o caso das populações negras, indígenas, LGBTQIA+, pessoas com deficiência, entre outros. Nesses grupos, o acesso à saúde tende a ser ainda mais difícil, seja por barreiras econômicas, geográficas ou pelo próprio preconceito.

Um médico comprometido com os direitos humanos deve estar atento a essas vulnerabilidades e atuar para reduzi-las. Isso passa por uma postura acolhedora e livre de discriminação no atendimento, mas também pelo engajamento em políticas públicas e ações afirmativas que promovam equidade em saúde. Iniciativas como a Política Nacional de Saúde Integral da População Negra e a Política Nacional de Atenção à Saúde dos Povos Indígenas são exemplos de como a medicina pode se aliar aos direitos humanos.

Desafios e Perspectivas

Incorporar os direitos humanos à prática médica não é uma tarefa simples. Exige uma mudança de mentalidade e a superação de barreiras históricas. No entanto, para aqueles que almejam ingressar na carreira médica através do vestibular de Medicina, esse é um desafio necessário e urgente.

Faculdades de Medicina de todo o Brasil têm buscado atualizar seus currículos para formar profissionais mais alinhados às demandas sociais. Projetos de extensão, ligas acadêmicas e vivências em comunidades são algumas das estratégias para desenvolver um olhar ampliado sobre a saúde. Além disso, cresce o número de iniciativas estudantis voltadas para a promoção dos direitos humanos, como a IFMSA Brazil (International Federation of Medical Students’ Associations).

No entanto, ainda há um longo caminho a percorrer. É preciso avançar em políticas públicas que garantam o direito à saúde, combater iniquidades e fortalecer o SUS. Também é fundamental que a formação médica esteja cada vez mais alinhada aos princípios da bioética e dos direitos humanos. Somente assim será possível construir uma medicina verdadeiramente comprometida com a dignidade humana e a justiça social.

Para os estudantes que sonham em ser médicos, fica o convite para abraçar essa causa desde já. Seja através do engajamento em projetos sociais, da participação em discussões sobre direitos humanos ou da escolha de uma faculdade comprometida com esses valores, cada um pode fazer a diferença. Afinal, a medicina e os direitos humanos caminham juntos na construção de um mundo mais saudável e justo para todos.

 

Categorias:
Artigos
Artigos
Artigos
Artigos
Artigos

Veja também...

Estude no principal ecossistema de educação médica do país.

Saiba mais sobre a Ânima e suas outras instituições.

Clique aqui para acessar o Canal de Conduta Ânima.

Scroll to Top